Vídeos divulgados também viralizaram por meio do Whatsapp e passaram a ser um dos motes da luta das entidades contra a reforma da Previdência

A nova campanha do Sindilegis #SeVotarNãoVolta, divulgada nas redes sociais  desde dezembro de 2017, já alcançou mais de 200 mil pessoas no Facebook e passou a ser um dos motes da luta contra a reforma da Previdência, prevista para ser votada no dia 19 de fevereiro. Os quatro vídeos divulgados na página acompanham o jingle “Para a reforma da Previdência eu digo NÃO!” e ressaltam fatos até então desconhecidos por grande parte da população brasileira, como as aposentadorias exorbitantes de figuras políticas.

Clique aqui para conferir o vídeo da campanha. 

Os vídeos destacam, por exemplo, que o presidente Michel Temer e os ministros Moreira Franco e Henrique Meirelles, principais articuladores políticos a favor da reforma da Previdência, já obtiveram aposentadoria ou pensão vitalícia em condições vantajosas. Temer se aposentou aos 55 anos, com um salário mensal de R$ 45 mil.

A campanha critica o fato de o Governo Federal perdoar dívidas de bancos e de grandes empresas, premiar sonegadores e fazer vista grossa para a corrupção: “Aos verdadeiros privilegiados, esse Governo oferece de tudo! Mas aos trabalhadores, só oferece a conta!”, diz um dos vídeos.

O levantamento produzido pelo Sindilegis para subsidiar a campanha também aponta outras informações de interesse público, como o fato do presidente Michel Temer ter recebido em seu gabinete o empresário Joesley Batista e ser chefe do Geddel Vieira Lima, preso por ter sido flagrado com R$57 milhões em malas guardadas em seu apartamento. 

A campanha também traz novas informações sobre o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, que é réu em processo de improbidade administrativa por desvio de R$16 milhões e, ainda assim, foi nomeado por Temer para comandar o ministério.

Quem são os privilegiados?

O presidente do Sindilegis, Petrus Elesbão, ressaltou que o Governo Federal tem investido milhões de reais em recursos públicos para produzir uma campanha publicitária nefasta e mentirosa, a fim de dizer que os servidores são os privilegiados do país e os vilões da Previdência. “Mesmo que os veículos de comunicação não tenham nos dado espaço para mostrarmos que o Governo está equivocado, estamos utilizando as mídias sociais para mostrar ao povo brasileiro quem são os verdadeiros privilegiados: os banqueiros, os sonegadores, os grandes empresários e os políticos corruptos. Não vamos deixar que o servidor público, que trabalha em prol do crescimento e do desenvolvimento do país, pague essa conta”, disse.



Tags: reforma, previdência, campanha, contra



Ver todas as notícias